Arquivo de março, 2011

A VOLTA

segunda-feira, março 21st, 2011

A VOLTA

Por Luiz Alpiano Viana

Saudade mata!

Quando a saudade não quer ir embora o sofrimento aumenta. Durante à noite nenhum dos dois consegue dormir, rolando de um lado para o outro sem encontrar um lugar seguro. Ainda pela manhã o sobrevivente lembra de tudo que se passou: e o que mais mata mesmo é a lembrança do carinho que cessou.

O sol da manhã lembra o café na mesa; um cão late e uiva pedindo um ossinho como presente de seu amo. Espreita toda a casa em busca de quem se foi que seu cheiro ficou impregnado no sofá, no piso, nas cadeiras, no colcão da cama.

Em cada noite de solidão um filme de horror passa na mente de cada um. Para aquele que ficou, resta um short verde e um azul do céu. As listras da saudade são azuis e brancas, intercaladas entre si. O cheiro da pele não desbota o desejo do amante à moda antiga.

Se saudade não mexesse tanto com o coração, certamente não existiria esse aconchego doce e não se sofreria tanto como fazem os casais que brigam por nada e perdem a companhia.

Por que se briga?

Seja lá como fôr, as brigas, em determinados momentos, até alimentam a relação e ainda  confirmam que o amor existe, está aceso, vivinho e pronto para atuar. Acredita-se que com o passar do tempo tudo volte à normalidade.

O amor resiste a muitas tempestades e só tem um fim porque os dois não sabem nevegar em altas tormentas. Pensam que têm experiência de sobra só porque já tiveram mais de um relacionamento. Pensam que que sabem lidar com assuntos relacionados com o coração. Mas coitadas, estão enganadas! Ainda não sabem mesmo! Terão que sofrer muito ainda com esse acaba e começa!

Não deveria existir paixão com tantas loucuras de amor. Poder-se-ia aceitá-las, até um certo ponto, mas não como compensação de desentendimentos tortos. O ciúme doentio que inventa discussão exagerada, seria de bom alvitre ser banido totalmente para evitar uma maldade, uma catrástrofe, uma separação indesejada!

O coração de quem ama tem experiência de dor, de calmaria, de tristeza e até de ódio. É por isso que depois das brigas acontece sempre um recomeço. Isso é o que contam os que já viveram situações de refazimento. Não vejo nada demais, pelo contrário, o amor tomou à frente de tudo e decidiram voltar…

VÓS MERCÊ!

domingo, março 20th, 2011

 

Estou indo devagar, mas vou…
Aonde quero chegar não sei se chegarei, todavia não desisto.
Nunca desistirei!

Até pensam que morri e como o fênix apareço,
e outra vez incomodo a quem já incomodei!
Se acredita em refazimento, não duvide, pois recomeço tudo outra vez!
 
Se não entende a mensagem, entenda, pelo menos meus dizeres:
Sou um simples humano que cogita um endereço!
– Diga-me, pois, que significa endereço – pergunta, na bucha, o interesseiro!
E eu, na bucha, também respondo: Vós mercê!

%d blogueiros gostam disto: