Arquivo de junho, 2011

O POEMA QUE NÃO TINHA ESCRITO…

sexta-feira, junho 24th, 2011

O POEMA QUE NÃO TINHA ESCRITO…

Texto de Luiz Alpiano Viana

Eu não me aborreço com você e nisso jamais pensaria!

Quando lhe escrevo alguma coisa, faço-a rindo,
porque enquanto digito as palavrinhas,
me volto para seu jeitinho sacana de mulher danada!

Até parece que estou vendo seu sorriso se despejando por sobre si mesma.

Se eu soubesse que ao ler esse texto se empanturraria,
eu pediria aos meninos do coro de São Bento
que lhe cantassem uma cançãozinha para menina danada dormir…

Aí, sim, eu lhe poria na cama,
colocar-lhe-ia um travesseirinho macio, por mim mesmo perfumado,
e, um cobertor humano a envolveria.

Com o pincel de meus lábios pintaria seu corpo inteiro. E que as marcas aí deixadas fossem eternas para daqui alguns séculos, saibam os novos humanos, que eu a beijei apaixonadamente.

Acordar-lhe-ia, somente de madrugada, quando as estrelas estão mais acesas e mais brilhantes, para fazer-lhe o mais íntimo dos carinhos: aquele que os casais não dispensam quando se amam.

BILHETINHO

sexta-feira, junho 17th, 2011

BILHETINHO

Texto de Luiz Alpiano Viana

Oi menina!

Senti saudade!

Fui fazer caminhada e durante o exercício senti sua falta. Lembrei-me de ter-me falado que ficou um tempão sem usar soutien e sem pentear os cabelos. Confesso que ri sozinho!

Algumas pessoas que comigo cruzavam, notavam que eu ria. Certamente elas me julgaram um louco ou coisa assim parecida! Não sabem elas que eu estava me lembrando, e com saudade, de uma pessoa muito especial! Nem liguei para elas. – Pensem o que quiserem – resmunguei!

Eu gostaria de saber se durante sua viagem, mesmo dirigindo, lembrou-se de nossos momentos! Eu penso que sim. E tenho absoluta certeza que também deu aquele sorriso!

Não me programei para estar com você durante esse passeio. Seria maravilhoso senti-la pertinho, olhando nos seus olhos, admirando sua beleza feminina.

Seu perfume tomou conta de meus passos e estimulou-me a fazer uma poesia em sua homenagem. O poema não saiu, porém este Bilhete foi o que pôde ser feito de imediato. Noutra oportunidade faremos rimas de amor, juntinhos, com o olho no luar!

Espero que volte logo, pois já estou com saudade e sinto vontade de vê-la com aquele jeito de fêmea que só você tem. Pensa, menina, que não reparo todos esses detalhes em você?

É bom ter você na vida! Faz-me bem e me dá prazer! Muito prazer!

Eu gosto de você!

 

%d blogueiros gostam disto: