Arquivo da categoria ‘O AMOR É LINDO

ZELO POR VOCÊ MESMO

terça-feira, agosto 29th, 2006

 

ZELO POR VOCÊ MESMO

 

 

 

 

 

Das flores que têm perfume cuido com zelo

Como jóias que se guardam a sete chaves.

Conto cada pétala, mesmo as que no solo caem,

Porque com arte e cuidado a obra vale mais.

Comparo-as com namorada: a gente se enciúma,

Não quer que outros olhos a vejam de soslaio.

 

Seus pertences não divide com ninguém.

Quem já teve um grande amor,

Por quem foi apaixonado, sabe.

 

Se nunca se enamorou, cuidado!

Viva, mas tente de alguém se aproximar,

E sinta o coração tremer como um incipiente adolescente ao paquerar;

Tenha com quem falar: conte-lhe, em casa ao chegar

O que lhe aconteceu na rua e no trabalho;

 

A vida não tem sentido, se, sozinho,

Por viver, optar;

Se lhe agrada a solidão,

Um médico é bom presságio!

Somos de sorrir, mas não de chorar.

Cuide bem de você mesmo, vale a pena se lembrar. (Luiz  Viana)

 

 

 

Anúncios

SER FELIZ SEM UM MÍSERO CENTAVO

terça-feira, agosto 29th, 2006

 

SER FELIZ SEM UM MÍSERO CENTAVO

 

Que linda manhã de sol,

que escuto o bramir do mar;

tenho um verde em minha volta

que me parece um sonho,

e com que comparar não há!…

 

As aves de arribação colorem o céu,

e enfeitam o ar numa algazarra ímpar!

Farra ou trabalho?

Daqui a pouco dormirão no primeiro porto, de cansadas!

Deleita-se com a vida,

a mãe que ao filho acolita, felizes hão de voar.

Caminho por entre escombros,

com vontade de chorar.

Aqui a natureza ensina,

Como devemos amar.

Como são, felizes e decididos,

curvei-me a me escutar,

Já que por onde começar eu sei. 

Quero apenas ser pequeno de egoísmo,

e trabalhar, trabalhar, trabalhar…

 

Senti gemidos de dores,

corri léguas atrás de nada.

Hoje, sim, sei o que faço, aonde vou,

pois antes não sabia onde estava.

Tento ficar de pé, e, voar… voar… voar.

Mas sem pena, sem bico e sem asas, nunca serei uma ave.

 

Houve um homem que viveu feliz a vida inteira,

e só tinha um relógio de algibeira,

um caneco e uma cabra.

Dedicou muito de seu tempo ensinando,

não se cansou, viveu muito e é lembrado.

Outro, ainda mais perfeito,

só dispunha de uma túnica tecida em tear,

e mesmo assim, disputada por algozes,

virou jóia, um troféu inestimável.

 

Descobri que ouço, vejo;

tenho perna, braço;

vou sem muleta a qualquer lugar,

toco em tudo e tenho tato.

Posso, então, agradecer-Te

porque muitos dos felizes,

não têm disso nada.(Luiz  Viana).

 

A FAMILIA

sábado, abril 8th, 2006

A FAMILIA
 
Como fomos criados, algumas pessoas estranham; levantava pela manhã e ia direto ao pai e à mãe para tomar a bênção, o filho. Havia algumas famílias que adotavam o critério de  se ajoelhar,  segurar a mão e beijá-la  após ouvir a expressão: "Deus te abençoe". Eu fui criado assim e veja que também éramos instruídos a tomar a bênção a quaisquer pessoas idosas que encontrássemos pelo caminho. Eu me lembro que já tinha dezesseis anos de idade e ainda continuava com a mesma mania de pedir a bênção aos mais idosos com quem me deparasse.
 
Não podíamos esquecer da bênção, se não éramos repreendidos, e há casos em que algumas famílias surravam os filhos por esse ato de esquecimento. Á noite, minha mãe sentava-se num banco e nos colocava de pé em sua volta, em forma de círculo. Era a hora dos ensinamentos cristãos. Naquele instante ela ensinava-nos as rezas da igreja católica, como: Pai Nosso, Credo, Salve Rainha e outras. Não se cansava de repetir sempre as mesmas orações e quando errávamos, fazia-nos recomeçar.
 
O Pelo Sinal, da Santa Cruz… era o início e o fim daquelas aulas de evangelização. Se fôssemos dormir sem tomar-lhes a bênção, faziam-nos acordar, e íamos até seu quarto,  pois não podia ser feito à distância. Outras vezes falava de lá  perguntando se já  tínhamos rezado antes de dormir, pois se não tivéssemos feito teríamos que fazê-lo agora.
 
Velhos tempos, bons tempos. Os filhos de hoje não conhecem esse tipo de educação religiosa. Alguns, cujos pais frequentam igrejas ou outros templos religiosos, não os acompanham nos dias das reuniões. Se são convidados por alguém a participar de  evento em que se professa a palavra de Deus, desculpam-se apontando compromissos previamente estabelecidos. Todos, lá de casa, tinham de ir à missa aos sábados ou aos domingos, e colocavam-se as mellhores roupas e sapatos. Era uma família coesa, de filhos e pais dedicados à Divindade. Rumavam para igreja, onde cada um tomava seu lugar. Havia lugar só para os homens, como, lugar só para as mulheres. Ninguém se misturava. A obediência a Deus era tão grande, que quando o acólito tocava aquela campainha, no momento da elevação das oferendas ao Santíssimo, ficávamos de joelhos, derreados para frente, bendizendo o nome do Senhor. E seguindo àquela ritualística, respondíamos ao que o sacerdote falava. Um coro de beatas, ao som de músicas para aquela cerimônia, ecoava doce, solene e harmoniosamente, por toda a nave. Era desrespeitoso, naquela hora da elevação ao Santíssimo, provocar qualquer barulho ou ruído. O silêncio tomava conta de tudo. Não se devia nem tossir. Concentrados e voltados para Deus, cada um se mantinha imóvel até se ouvir outra vez o tilintar daqueles sininhos conduzidos pelo coroinha. Na homilia o padre tecia assuntos da vida conjugal, familiar e também de política.
 
A volta para casa tinha sabor de felicidade, respiravam-se ventos de calmaria. No patamar da igreja, viam-se pessoas se cumprimentando. Eram aqueles amigos ou parentes que não se encontravam há muito tempo. Aos poucos, se desfaziam aqueles grupinhos, enquanto uns retomavam o caminho de casa, outros passeavam nas calçadas e avenidas; os casais de namorados sentavam-se nos bancos das  praças, à sombra dos figos,  alimentando a esperança de um reencontro no próximo fim de semana. Tudo aquilo era muito simples. Havia seriedade em tudo que se fazia. O amor brotava no coração de cada um, como uma chama divina que reabastece de novas energias a vida humana.
 
Alguns filhos de hoje chamam os pais pelo próprio nome de bastimo: Pedro, João, Maria, etc; quem não os conhece não sabe se se trata de pais e filhos. É muito estranho esse tipo de tratamento que dão aos pais. Filhos há, que por um determinado tempo, ao chegarem à maioridade, vão morar sozinhos, ou com amigos, ou com colegas,  ou até mesmo com a própria namorada. Os namorados dormem juntos na casa dos próprios pais e nínguém acha isso errado. Há também pais que preferem que as filhas tragam seus namorados para casa e com eles ali dormirem, por acharem que assim têm o controle, sabem onde estão e até mesmo o que fazem. O motivo disso é o uso desenfreado das drogas que desmontam a sociedade, invalidando a trajetória do jovem adolescente. Na minha infância e adolescência não se ouvia falar em droga, pelo menos onde eu morava; era uma preocupação a menos para os pais.
 
Foi na segunda matade do século XX e início do XXI, que se proliferou o uso dos entorpecentes pelos jovens do mundo inteiro, principalmente nos países mais desenvolvidos. No Brasil não poderia ser diferente. O mundo globalizado, através da tecnologia e da informática, trouxe de tudo, desde os facilitadores para uma vida moderna e confortável, a males incuráveis que nem mesmo a ciência dos dias atuais resolve. 
 
Nós que fomos criados naquele sistema de obediência e respeito aos pais, obrigados a ter a mesma religião como sustentação espiritual e salvadora, assistimos aos acontecimentos do atual século,  pasmos. Até parece que tudo está errado. Mas dá para se perceber que nossos jovens e adultos identificam-se. As escolas responsáveis pela educação moral e intelectual, ensinam que as coisas mudaram para melhor, contudo não se ver qualidade que justifique essa afirmação. Observamos mudança no conceito de religiosidade com o surgimento de igrejas com fins estritamente comerciais; a família estruturada que sempre foi a base da sociedade, perdeu sua essência existencial; pouco importa para os casais a continuação do casamento, e infelizmente a esse modelo seguem nossos filhos; devemos colocar na sociedade  homens respeitosos, amáveis, obedientes, e tementes a Deus. Da família com raízes profundas no sentimento mais nobre, que é o Amor, sairá o cidadão. O berço estruturado no bem e no amor ao Pai, deve ser a fôrma, o trilho e o modelo de onde deveriam sair os verdadeiros cristãos. Sem a família, como serão os homens? Quais serão seus gestos? Como respeitará o próximo? Como será o homem que não tem Deus no coração, que não teve familia, que não teve pai, que não teve mãe, que não teve irmão, que não conhece a Deus? Está na família a substância da cidadania e da vida. Isso é notório até mesmo no mundo dos animais mais irracionais que se pôde conhecer até agora. (Luiz Viana)

FIZ PARA TI

sexta-feira, fevereiro 24th, 2006

 

FIZ PARA TI

 

Faz pouco tempo que te vi, mas senti forte a energia de teu ser; ela é tão pura que a gente sente, e me atraiu como se fosse um ímã, e sem querer em ti grudei.

 

Acredito em namoro no jardim, em presente, perfume e bilhetinho. O beijo do primeiro encontro tem o néctar das flores e um selinho dos passarinhos.

 

Tonto fiquei quando sorriste e até na calçada das musas tropecei; há quem diga que sou muito louco, só que não me entendem, e me assusto porque errei.

 

Insisto em que me compreendas, já que assim a ti me declarei, entreguei-te um coração sofrido, que quer ser feliz, podes crer; sou tímido, leal e sereno, não te assustes, mas como te amar, juro que sei. Cuida de mim, pois a solidão que estraga um coração, pode desmontar o mais lindo castelo que fiz para ti.

 

Marco as flores brancas do jardim, cujo aroma se confunde com o teu. Ontem catei conchas no mar de esperança, eram pequenas e grandes, não me lembro, esqueci, não sei… Só sei que nessa manhã, quem chamou por ti, fui eu!

 

Amo tudo que parece contigo, para não ficar pedindo os beijos que não te dei. Se soubesses onde me escondo em ti, certamente me sufocariam teus beijos. Apresso o passo na noite, turvas nuvens surgem logo cedo, o canto melancólico da coruja amedronta, mas não desisto, por ti andarei a noite inteira. (Luiz ALPIANO Viana) 

 

 

NANDA

domingo, fevereiro 19th, 2006

NANDA

 

Tu és inconteste doçura  

Aos olhos de quem te venera.

Destarte, Deus não tem dúvida.

Vai, segue, apressa-te.

 

As minas mataram crianças, e, aleijadas, outras deixaram.

Os filhos da guerra te amam, por teu trabalho incansável.

  

Na Africa do Sul, Mandela e tu 

Amam negros, brancos, e estropiados;

Ilumina longe, muito longe, tua luz abençoada.

 

Quem és tu, a final, que proclama igualdade, 

Como fez Irmã Dulce que veio doutra galáxia!

As crianças já brincam em paz!(Luiz ALPIANO Viana)

SÓ QUERO SER FELIZ

quarta-feira, fevereiro 8th, 2006

SÓ QUERO SER FELIZ!

 

Ninguém prevê os infortúnios da vida. O fim de um relacionamento é muito doloroso, e é difícil recomeçar uma relação idêntica.

 

Há coisas que provocam um enorme estrago numa relação: egoísmo, cobranças infundadas, ciúmes bobos! A vida a dois se tornará eterna, quando aceitar o outro com os erros e acertos que lhe são peculiares.  

 

Copo sujo na pia, cueca largada no banheiro, chinelo no meio da sala, livros fora do lugar, toalha molhada em cima da cama, tudo isso são personagens que moram dentro de casa, e infernizam a vida do casal. Se amasse mesmo, entenderia que perdoar é a solução para tudo, e não cairia no engodo da discussão. Hoje em dia, há brigas contantes até pela música de que o outro gosta. Como se desentender com a pessoa mais importante de sua vida? Por quê? Não tem explicação para isso.

 

Sua alma gêmea tem que ser especial, não pode ser um quebra-galho, um-faz-de-conta. Se não conseguiu o padrão desejado, apega-se com quem aparece primeiro?  É crudelíssima, sua atitude. É verdade que está insatisfeito, mas não crie mais problemas, além dos que já existem, pois está se matando e enganando a sim mesmo. Seja consciente e não brinque de casamento.

 

As uniões duradouras – que hoje são raras – se firmaram através da afeição, do respeito, da valorização humana e do amor verdadeiro, que nasce do coração de cada um de nós. Saiba que para ser feliz, precisa antes se amar muito. A felicidade está dentro de você. Procure-a com atenção e verá que tudo começará quando despertar para a realidade.   

 

Primeiramente ame-se, para usufruir os momentos bons que a vida lhe oferece, e, depois, ser completamente feliz. Descubra seus valores intrínsecos e coloque-os na pauta do dia como sendo prioridade absoluta em sua vida. A conclusão é uma surpresa que só você viverá. Por aí começam surgir os primeiros passos rumo à felicidade, que é tema secular em prosa e verso no mundo inteiro. Seja feliz. (Luiz ALPIANO Viana).

 

 

 

 

A DISTÂNCIA

quinta-feira, dezembro 15th, 2005

A DISTÂNCIA

 

Sábia é a mulher que se ama

E não se profana.

És feminina e não, puritana,

E a mim ensinas coisas

Que só o amor proclama.

 

 

Cuida de mim!

Peço-te humildemente um afago!

Envolve-me, sem preconceitos, em teus braços,

E não hesites de me amar quando quiseres.

Sabes bem de que te falo

Que quando amo, abro o verbo.

 

Percebo a docilidade que tens

Que ao fitar teus olhos deito-me docemente

Na sublime imagem dos teus gestos,

Perlongando praias nunca vistas.

Que delícia!

Dize-me que me queres, que juro que não te engano.

Mais sensível fico quando te teclo, e esqueço que sou humano.

 

Nos vai-e-vem dessa vida, ainda tenho esperança…

Juro que não me contento com meu amor tão distante…

Que África venha pra cá, que Brasil rume pra lá,

Isso a mim não me importa, mas que um dia possamos,

Juntinhos, a sós, ficar!     (Luiz ALPIANO Viana)

NINO

terça-feira, julho 19th, 2005

NINO

 

 

Não sei mais beijar, abraçar, acariciar,

Como fazem os que se amam!

Dizem os Dom Juans

Que não se desaprende, e ainda afirmam, categoricamente,

Que é só começar que uma energia turbulenta

Nos invade docemente,

Num estado de êxtase incontrolável!

 

Afirmam, outrossim,

Que é tão gostoso, que parar seria crime,

E continuar, sem dúvida, uma morte lenta e divina!

Eu queria morrer assim!

  

Dize-me onde te encontro, vamos!

Durmo e acordo assustado sem saber aonde foste… 

Quero ver-te ainda hoje.

Sou pequeno, sou menino

De braços abertos como quem diz:

Vem… Vem… Estou aqui, eu sou Nino! 

 

Não quero te perder 

Porque teu beijo é alimento nutritivo!

E os carinhos que reclamo

Curam a enfermidade do pequeno Nino!

 

Quero viver para sempre ao teu lado!

Quando eu soube que existias,

Gritei, pulei,

Corri em zigue-zague,

Como um cão pulguento, e sem destino;

 

E quando me acalmei, sorri e gargalhei!

Olhando para os céus, aprendi que ser feliz

É ter alguém que nos dê carinho… mas, muito carinho… 

 

 (Luiz ALPIANO Viana)

O AMOR É LINDO…

sábado, junho 11th, 2005

HOJE É DIA DOS NAMORADOS

 

Que presente deu a pessoa amada? Uma rosa, um perfume, um celular, um sapato, uma gravata, uma sandália, um jantar à luz de velas, um passeio… seja lá o que tenha dado, será recebido com carinho. Há quem guarde, por mais simples que seja, o presente que recorda uma data feliz. Guarde aquela rosinha, aquele bilhetinho, aquele papel de bombom, o lencinho do restaurante onde estiveram; guarde tudo que lembrar a pessoa com quem esteve, que lhe disse coisas lindas, que lhe escreveu cartas e recados num pequenino pedaço de papel, na folha de um caderno. O amor é lindo!

 

Felizes os que sentem esse sentimento fluir do fundo do coração; felizes os que se apaixonam; felizes os que sabem o que significa beijar, abraçar, fazer amor dentro de um fusquinha, na garupa de uma moto… Felizes hão de ser, para sempre, os que se amam sem exigência. Esses têm no coração jardins floridos e estão abertos para a felicidade. Se você não sabe o que é amar, nunca viveu a vida na sua plenitude máxima. 

 

Um toque de mão, um flerte, o brilho do olhar,  um abraço, o cheiro do outro, o gosto da saliva… Se você não conhece nada disso, tem uma vida vazia, distante, pequenina e insignificante. Busque o amor em todas as suas modalidades e dele não tenha medo. Quando amar, entregue-se de corpo e alma. Usufrua a essência maior do sentimento humano. É assim que se vive sem estresse. Quando se ama, vive-se muito mais.

 

Você diz que não encontrou sua alma gêmea, mas sabe por quê? Porque ainda não descobriu que todas as pessoas são imperfeitas e não aprendeu com elas conviver. E por isso é exigente, cobra qualidade que você mesmo não tem. É intolerante com pequenos detalhes; provavelmente vai ficar eternamente sozinho. Faça uma análise de suas qualidades e defeitos, e verá que precisa mudar. Exigir do outro correção e qualidade é muito sério! Seja cônscio dos seus limites. Está faltando o reconhecimento de sua imperfeição. Aceite os defeitos do outro que a recíproca será verdadeira. De repente sua vida se transforma para melhor,  porque fez mudanças.Crie em sua volta, um mundo que caiba você e todas as outras pessoas  O caminho da felicidade começa por aí. Seja feliz. (Luiz ALPIANO Viana)

 

  

%d blogueiros gostam disto: